Horário de Atendimento

Seg - Sex: 08h - 17h

Telefone

(62) 3291-6356

WhatsApp

(62) 99815-6710

Cetoacidose Diabética

08/10/2019 Categoria: Saiba Mais
Cetoacidose Diabética

CETOACIDOSE DIABÉTICA

   Cetoacidose diabética é uma grave condição que poderá resultar em coma ou até mesmo no óbito do paciente. A cetoacidose diabética ocorre no momento em que os níveis de açúcar (glicose) na corrente sanguínea do paciente diabético se encontram muito elevados.

   Nesse processo, a insulina (glicose) é uma fonte de energia que o nosso corpo precisa. Quando há ausência dessa substância em nosso organismo, uma das alternativas que o corpo encontra é a de usar o estoque de gordura para produzir a energia que lhes falta. Desse modo, esse processo ocasiona um grande acúmulo das substâncias conhecidas como corpos cetônicos, que se fazem entendidos na qualidade de ácidos que se aglomeram no sangue e aparecem na urina.

   Os Níveis destacados de corpos cetônicos poderão envenenar o nosso organismo. Quando os níveis estão bastante altos, têm-se a cetoacidose diabética. este se trata de um caso de emergência médica e ordena que seja imediatamente tratada.

   A cetoacidose diabética é ocasionada de forma mais comum em pacientes com diabetes tipo 1, porém pode ocorrer também em pacientes diabéticos de tipo 2.

Sinais e Sintomas

A cetoacidose diabética seconstrói vagarosamente, sendo que os sintomas iniciais podem abranger:

  1. Sede ou boca bastante seca;
  2. Micção frequente;
  3. Glicose de nível elevado no sangue;
  4. Altos níveis de cetonas na urina.

Em seguida, outros sintomas podem aparecer:

  1. Cansaço frequente;
  2. Pele seca ou corada;
  3. Náuseas, vômitos ou dor abdominal;
  4. Dificuldades em respirar;
  5. Odor de fruta na respiração;
  6. Dificuldades de se concentrar.

Riscos e Complicações

   Pode ocorrer a redução dos níveis de açúcar no sangue (hipoglicemia), se o seu nível de açúcar no sangue cai bastante e de forma rápida, e mesmo através do tratamento da cetoacidose, pode haver o desenvolvimento da hipoglicemia.

   Considera-se que o baixo nível de potássio (hipocalemia), em que os fluidos e insulina usados ao cuidar a cetoacidose diabética poderão causar queda do nível de potássio. Um nível pequeno de potássio poderá causar enormes prejuízosàs ações do coração, dos músculos e dos nervos.

   Concomitantemente, pode ocorrer também um inchaço no cérebro (edema cerebral). O Ajuste do seu nível de açúcar no sangue com muita velocidade poderá levar a um inchaço no cérebro. Essa complicação parece estar mais facilmente relacionada em crianças, especialmente aquelas com diabetes recém-diagnosticadas.

   Portanto, a Cetoacidose diabética se trata de uma enfermidade condicional que possui gravidade e que poderá resultar em coma ou até mesmo na morte.

Diagnóstico

   O teste para diagnosticar a cetoacidose diabética é com uma amostragem de urina, isso é, uma das primeiras etapas ao diagnosticar a cetoacidose diabética é o exame úrico. Ademais, deve-se testar os níveis de glicose no sangue da mesma forma do exame úrico. Outros exames que poder ser prescritos:

  1. Exame de análise de potássio no sangue;
  2. Exame de Gasometria arterial;
  3. Teste de amilase no sangue ao calcular a atribuição pancreática;

Raio-X do tórax ao buscar referências de uma infecção como pneumonia

Tratamento

   A melhor maneira de tratar a cetoacidose diabéticainclui uma combinação de diversas abordagens, e uma delas ocorrecom a finalidade de normalizar os níveis de açúcar e de insulina no sangue. Se a cetoacidose é diagnóstica de uma infecção ou doença receberá também uma maneira de tratar as complicações da mesma, o que ocorrerá mais facilmente observado o seguinte:

  1. Reposição de fluídos em que se ordena repor os líquidos. No ambiente hospitalar,  a turma médica irá provavelmente ministrar fluidos  através de via oral, ou em via  intravenosa. Nesse processo, ao substituir o líquido que é comumente perdido com diagnóstico da cetoacidose diabética. A reposição de líquidos da mesma forma é proveitosa ao diluir a quantidade de açúcar no sangue;
  2. Insulinoterapia é essencial, pois a insulina provavelmente vai ser melhor administrada em virtude de via intravenosa, até que o nível de açúcar no sangue possa cair aos 240 mg/dL ou menor que essa quantidade. Quando os níveis de açúcar no sangue continuam inclusos em uma faixa aceitável, o paciente voltará à sua rotina comum de insulina;
  3. Substituição de eletrólitos ocorrerá quando os níveis de insulina estão por baixo do comum, e devem envolver a fabricação de eletrólitos no seu organismo. Eletrólitos se fazem entendidos os minerais eletricamente carregados que ajudam na serventia dos nervos e do coração. A reposição desses eletrólitos ocorre da mesma forma que a insulina,sendo naturalmente introduzida em virtude da via intravenosa.

   Enfim, é necessário se ter cuidado para não haver o desenvolvimento desta doença, sendo necessário que cada pessoa possa regularmente realizar testes no sentido de identificar se possui ou não diabetes, e este é o primeiro passo, sendo diagnosticada ainda em sua pré fase, se torna mais fácil evitar todos esses tipos de doenças

Fale Conosco (62) 99815-6710