Horário de Atendimento

Seg - Sex: 08h - 17h

Telefone

(62) 3291-6356

WhatsApp

(62) 99815-6710

Depressão e Diabetes

08/10/2019 Categoria: Saiba Mais
Depressão e Diabetes

DEPRESSÃO E DIABETES

   A ocorrência de depressão é duas a três vezes maiores em pessoas com diabetes mellitus, a maioria dos casos permanece sub-diagnosticada.

   A depressão é uma doença médica comum e muito grave, com uma prevalência ao longo da vida variando de aproximadamente 11% em países de baixa renda a 15% em países de alta renda. O risco de ter um problema de saúde mental na vida é de cerca de 50% e isso leva a uma queda no emprego, produtividade e salários. Depressão e ansiedade são a quarta causa, enquanto o diabetes é a 8ª causa de anos de vida ajustados por incapacidade (DALYS) em países desenvolvidos.

   Como é definido pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria (DSM-5), o diabetes é um transtorno do humor que reúne diversos sintomas que alteram a funcionalidade de um indivíduo. Já a depressão perturba emoções, cognição e comportamentos.

Sinais e Sintomas

   Devido aos aspectos negativos em relação à saúde do indivíduo e também aos sistemas de saúde, a co-morbidade do diabetes e da depressão tem provocado muitos estudos na última década. Existem três possibilidades para a associação de diabetes e depressão: ambas as doenças podem ter uma etiologia comum; diabetes aumenta a prevalência ou risco de depressão futura; e a depressão aumenta a prevalência ou risco para diabetes futuro.

   Estudos recentes mostraram que não existem fatores genéticos comuns para explicar a associação positiva entre depressão e diabetes tipo 1 ou 2. Entretanto, diferentes fatores ambientais (fatores epigenéticos) podem ativar vias comuns que promovem DM2 e depressão no final. Um fator importante é um baixo nível socioeconômico que aumenta as chances de DM2, mas também parece ser uma causa de depressão. As outras causas comuns de DM2 e depressão são sono ruim, falta de exercícios físicos e dieta.

   O estresse crônico ativa o eixo hipotálamo - hipófise - adrenal (eixo HPA) e o sistema nervoso simpático (SNS), aumentando a produção de cortisol no córtex adrenal e a produção de adrenalina e noradrenalina na medula adrenal. A hipercortisolemia crônica e a ativação prolongada do SNS promovem resistência à insulina, obesidade visceral e levam à síndrome metabólica e DM2. Por outro lado, o estresse crônico tem conseqüências comportamentais: a noradrenalina, o cortisol e outros hormônios ativam o sistema de medo, determinando ansiedade, anorexia ou hiperfagia; os mesmos mediadores causam taquifilaxia do sistema de recompensa, que produz depressão e desejos por comida, outras substâncias ou estresse. O excesso de cortisol perturba a neurogênese no hipocampo, uma região envolvida na depressão, assim como no DM2.

   Além disso, o estresse crônico induz a disfunção imunológica diretamente ou através do eixo HPA ou SNS, aumentando a produção de citocinas inflamatórias. Quantidades elevadas de citoquinas inflamatórias interagem com o funcionamento normal das células beta pancreáticas, induzem a resistência à insulina, e, assim, promovem o aparecimento de DM2. Novos estudos sugerem que respostas inflamatórias também estão envolvidas na fisiopatologia da depressão. Descobriu-se que as citocinas pró-inflamatórias interagem com muitos dos domínios fisiopatológicos que caracterizam a depressão, incluindo o metabolismo dos neurotransmissores, a função neuroendócrina, a plasticidade sináptica e o comportamento. 50% dos pacientes tratados com interferon Alfa desenvolveram depressão e os pacientes com depressão tiveram níveis sanguíneos estatisticamente mais altos de citocinas, como fator de necrose tumoral e interleucina 6, do que aqueles sem depressão.

   Essas correlações sugerem que o estresse e a inflamação promovem a depressão e o DM2, dando um vínculo comum viável entre eles.

   Os pacientes com DM1 precisam de um tratamento diferente e mais complicado de sua doença em comparação com o DM2: eles precisam de uma monitoração frequente de glicemia, ajustando as doses de insulina, dieta e atividade física. A idade de início do DM1 é muito mais precoce do que para o DM2; a estreita relação cronológica entre o DM1 e o início da depressão é surpreendente, o diagnóstico de DM1 e sua carga de tratamento ocorrem em um período em que o indivíduo tem uma vulnerabilidade aumentada à depressão.

   Crianças e adolescentes com diabetes têm uma prevalência duas a três vezes maior de depressão do que jovens sem diabetes. Um controle glicêmico deficiente na DM1 pediátrica está relacionado tanto à depressão quanto ao menor nível socioeconômico e as chances de depressão nesses pacientes aumentam à medida que o controle glicêmico piora. Não há tantos estudos sobre DM1 e depressão, mas uma revisão importante sobre o assunto evidencia uma ligação biológica: citocinas circulantes aumentadas associadas com diabetes autoimune, a falta de insulina afetando a neurogênese e o metabolismo dos neurotransmissores, os efeitos da hiperglicemia crônica e os efeitos iatrogênicos hipoglicemia e uma hiperatividade no eixo HPA. Similarmente ao DM2, parece que o DM1 e a depressão têm vias fisiopatológicas comuns, ao contrário do que tradicionalmente se pensava, que o ônus do diabetes aumenta a prevalência de depressão.

Riscos

   Muitos riscos são consideráveis como o aumento desenfreado do diabetes. A não medicação e a falta de cuidados com o corpo pode desenvolver a obesidade e muitos riscos podem surgir adiante e que podem causar visão turva, cegueira, problemas cardiorrespiratórios e até mesmo o óbito.

Diagnóstico

   O diagnóstico incipiente da depressão deve acelerar sua maneira de tratar. Portanto, seja atento para as referências mais naturalmente localizadas já nas fases iniciais do processo depressivo como:

  1. Perder a sensação de prazer em fazer coisas que você costumava apreciar;
  2. Aumento da tristeza sem ação motivacional aparente, de forma principal pela manhã;
  3. Certa alteração nos hábitos de sono. Despertar incipiente e dificuldade em voltar a dormir;
  4. Certas alterações essenciais no apetite, ao mais ou ao menor na quantidade;
  5. Sentir dificuldades de concentração;
  6. Ter sensação de cansaço e dano de força;
  7. Aumento da ansiedade, do nervosismo ou culpar-se demasiadamente;
  8. Pensamentos suicidas ou de autoagressão.

   A vinda de três ou mais desses sintomas, ou de somente, ou apenas um ou dois sintomas, todavia, sócios a uma sensação de fado em virtude de duas semanas ou mais, demonstrações a carência do doente ou vítima aderir que seja em estado depressivo e, em virtude de isto ordena buscar contribui com colaboradores peritos e competentes na assistência para o carregador de diabetes.

Tratamento

   A melhor maneira de tratar com antidepressivos deve estar necessário e, ao tal, um profissional de medicina ordena estar consultado. Pode-se administrar antidepressivos e sugerir uma dieta básica, com atividades físicas moderadas.

   Na vinda de sintomas de depressão, não se ordena esperar bastante ao buscar contribuição profissional, e informar-se mais a respeito d a doença e procurar os serviços multidisciplinares de atenção para os que já possuem de diabetes.

Referencias Bibliograficas 

DIAS, A.M. et al. Adesão ao regime terapêutico na doença crônica: revisão de literatura. Millenium, 40, p. 201-219, 2011

Hermanns, N; Caputo, S; Dzida, G. et al. Screening, evaluation and management of depression in people with diabetes in primary care. Primary Care Diabetes. 2013; 7: 1-10

Tapash, R; Lloyd Cathy, E. Epidemiology of depression and diabetes: A systematic review. Journal of Affective Disorders. 2012; 142S1:S8-S21.

Fale Conosco (62) 99815-6710